quinta-feira, 29 de abril de 2010

Nesse lugar

“Nesse lugar sagrado, onde passa tanta gente, Faz força o mais covarde E se caga o mais valente”. Atílio tinha a mania de escrever frases nos banheiros públicos ou privados pelos quais passava. Textos avulsos, às vezes microscópicos entre os vãos de um azulejo e outro, uma quina ou parede suja. Piadas sem riso, que fazia de si para si próprio, por vezes copiadas de outros dabliocês, mas sempre com o pensamento voltado para o próximo.
Já grafava as últimas letrinhas de “ida”, na frase “o peido é o grito de liberdade da merda oprimida”, quando o segurança do shopping o trouxe de volta à realidade. “Parado aí, seu sacana, parasita... Agora você vai limpar isso com a boca!”. Atílio estremeceu. Não por medo, mas por nojo. Sabia bem que, em certos lugares, onde se põe palavras, jamais se coloca a boca.

3 comentários:

  1. De prima, como sempre! Beijos procê, meu amigo.

    ResponderExcluir
  2. Maria Amélia Elói29 de abril de 2010 13:27

    Segurança idiota! Ele que fez merda! Em vez de incentivar a literatura...
    Abraços,
    Maria Amélia Elói.

    ResponderExcluir