segunda-feira, 11 de maio de 2009

O perdão

O perdão nunca lhe era negado graças às suas maneiras. Gozava de uma polidez aperfeiçoada, de moça fina, com virtudes completadas à custa do curso de boas maneiras on line. Seduzia sem agradar, tomada por um calculismo mentiroso que divertia os interlocutores. Já era psicóloga quando conheceu Irineu.
O romance surgiu da noite, período em que até ela, e todos, precisamos de alguém íntimo para conversar. Foram labaredas de alma, puxando acima as fagulhas que jaziam sob as cinzas de seus segredos elegantes. Confessou a ele a farsa dos gestos, o embuste das falas, o logro dos sentimentos. Pálida, como algo que fica tempo demais na água, cedeu-lhe o corpo, com ignorante segurança, comum às tolas.
Na análise da relação, Irineu sentiu-se entre uma ternura infinita e uma solidão sem fim. Vestiu a bota de cowboy, ajustou o calcanhar com duas batidas no chão e aboiou uma despedida insólita: “bãããããão, então um dia a gente se vê!”.

2 comentários:

  1. José Carlos Pontes11 de maio de 2009 12:46

    Alaor

    Muito legal. Mas estou começando a fazer uma campanha pra gente escrever micro contos. São contos que não podem passar de 50 palavras. De vez em quando coloco um no meu blog: criadordesaci.blogspot.com
    Dê uma passada por lá e veja o que você acha. Pensei até em montar com alguns amigos um blog só de micro contos.
    Você topa?

    ResponderExcluir
  2. Alaor, meu caro, obrigado pela visita e pelas palavras. Esse seu blog é fantástico e gostaria de publicar uma dessas crônicas no "proseares", fazendo menção ao blog. Espero sua autorização, ok? Beijo.
    Sidnei

    ResponderExcluir